Confira os pontos turísticos de Lisboa que precisam entrar no seu roteiro

Impossível não se apaixonar pela cidade e pelos pontos turísticos de Lisboa. Para nós, brasileiros, chegar ao coração de Portugal é como se transportar direto ao passado. A sensação é a de estar no centro histórico de uma grande cidade brasileira – só que por lá ele não é abandonado, e sim belo, charmoso e funcional.

Construções históricas preservadas. Monumentos intocados. Bondinhos. Ruas ladrilhadas. Esse é o cenário com o qual o visitante se depara, especialmente na região chamada de Baixa Lisboa, a que mantém os pontos turísticos mais tradicionais na cidade. Neste artigo, vamos compartilhar algumas dicas daquelas atrações que precisam entrar no seu roteiro.

Preparado? ✌️

Lisboa
São imagens assim que você vai encontrar em Lisboa. Foto: Rafaela Kich/Arquivo Pessoal

Os imperdíveis: 4 pontos turísticos de Lisboa

Um roteiro por Lisboa simplesmente precisa passar pelos pontos turísticos que se confundem com a própria história da cidade através dos séculos. A boa notícia é que alguns ficam próximos e outros, embora mais afastados, são facilmente acessíveis através das linhas de metrô e comboio que atravessam a cidade.

Nós testamos o roteiro e garantimos: mesmo que você só tenha um dia e meio ou dois em Lisboa, é possível percorrer estes quatro pontos. 😉

1. Castelo de São Jorge

Castelo de São Jorge
Castelo é um dos principais símbolos de Lisboa. Foto: Rafaela Kich/Arquivo Pessoal

Há vários motivos pelos quais o Castelo de São Jorge pode ser o ponto turístico número um de Lisboa. O primeiro é o próprio aspecto histórico: o local foi construído com o intuito de preservar a cidade das invasões romanas, portanto foi palco de diversas guerras e lutas através de seus mais de oito séculos de existência.

Lá existe uma exposição que reconta os principais acontecimentos e uma galeria que reúne diversos artefatos encontrados no castelo com o passar do tempo. Outro fator que faz valer a visita é a própria subida até o local, que fica na região mais alta da cidade. Você vai precisar de fôlego, mas as casinhas charmosas e históricas que moldam as ladeiras até lá tornam a experiência incrível.

Terceiro fator pelo qual o Castelo de São Jorge é indispensável: a vista. Você terá uma visão privilegiada (e inesquecível) da cidade e do Rio Tejo. Rende belas fotografias de lembrança. Nós pagamos 8,50 euros para entrar – cerca de 31 reais, e a visita valeu cada centavo.

Castelo de Lisboa
Vista do castelo é imperdível. Foto: Rafaela Kich/Arquivo Pessoal

Dica de segurança: como a região do Castelo é bastante movimentada e repleta de turistas, cuidado com os pickpockets (famosos batedores de carteira) e pessoas que se aproximam tentando colocar pulseirinhas no seu pulso e puxar conversa. Depois eles podem lhe pedir dinheiro.

Torre de Belém

Torre de Belém
Torre de Belém é outro símbolo de Lisboa. Foto: Rafaela Kich/Arquivo Pessoal

A Torre de Belém fica um pouco mais afastada da Baixa Lisboa, mas vale dar um pulinho até lá. Construída há mais de 500 anos, sua estrutura fica nas margens do Rio Tejo. Só de contemplar sua beleza por fora você já vai se sentir em um filme. Desde 1983, a construção é classificada como Patrimônio Mundial pela UNESCO.

É preciso desembolsar 6 euros (cerca de 22 reais) para percorrer a estrutura que já serviu como forte, prisão, alfândega e farol. Nela, você poderá observar canhões e as imponentes grades de ferro das antigas celas. Imperdível para quem curte história e guerras.

Na nossa experiência com a Torre, a única questão decepcionante foi que o terraço principal estava fechado para reformas, então não conseguimos contemplar a melhor vista lá de cima. Ainda assim, o passeio valeu a pena.

Mosteiro dos Jerônimos

Mosteiro de São Jerônimo
Vale a pena conhecer ou pelo menos passar na frente do Mosteiro e contemplar sua imponência. Foto: Rafaela Kich/Arquivo Pessoal

No caminho até a Torre de Belém, você vai se deparar com uma enorme construção recheada de turistas em sua volta. É o Mosteiro dos Jerônimos, outro ponto turístico bem conhecido de Lisboa. Uma obra-prima da arquitetura portuguesa, ele foi fundado pelo rei D. Manuel I, ainda no início do século 16, e posteriormente foi doado para os monges Jerônimos. Eles permaneceram ali até meados do século 19.

A visita vale a pena para quem é fã de arquitetura e quer conhecer um pouco mais das dependências conventuais, incluindo o antigo refeitório dos monges, os claustros e a sala da Antiga Livraria. O ingresso custa 10 euros, algo em torno de 37 reais.

Arco da Rua Augusta

Arco da Augusta
Arco da Augusta é uma obra-prima de Lisboa. Foto: Rafaela Kich/Arquivo Pessoal

A Rua Augusta é uma das mais movimentadas ruas comerciais de Lisboa. Recheada de restaurantes e lojas, vale dar uma passadinha por lá para fazer umas comprinhas e depois visitar o Arco que fica em uma de suas extremidades, a entrada da Praça do Comércio.

O arco triunfal foi desenhado pelo arquiteto Santos de Carvalho, como uma forma de celebrar a reconstrução da cidade após o grande terremoto de 1755. A obra só foi verdadeiramente concluída em 1873, trazendo em sua decoração estátuas de importantes personagens da história, como Vasco da Gama e Marquês do Pombal.

Em 2013, o Arco passou por um processo de readaptação para garantir que os visitantes pudessem subir até o seu topo. E acredite: talvez o valor de 2,50 euros para chegar ao terraço sejam os mais bem gastos de toda a sua viagem em Lisboa. A vista lá de cima é incrível.

Dica: se possível, vá no fim da tarde. Contemplar o pôr do sol no Rio Tejo do Arco é uma experiência sem precedentes.

Praças são importantes pontos turísticos de Lisboa

Vista do Arco
Praça do Comércio vista do Arco Triunfal de Lisboa. Foto: Rafaela Kich/Arquivo Pessoal

Entre um ponto turístico e outro, você vai perceber que Lisboa é repleta de praças. A própria Praça do Comércio (mais conhecida como Terreiro do Paço), ligada ao Arco do Triunfo, é um espetáculo: trata-se de uma das maiores praças da Europa, com aproximadamente 36.000 m². Durante décadas, os edifícios que as cercam foram utilizados por instituições públicas.

No centro da Praça fica a Estátua de D. José I, de autoria do escultor Joaquim Machado de Castro. Ela foi a primeira estátua equestre erguida em Portugal, além de ser um dos primeiros monumentos em via pública do país dedicado a uma pessoa ainda viva à época. O Terreiro do Paço fica ainda mais belo por estar rodeado pelo Rio Tejo. É de um charme impressionante.

Estátua de D. José I
A charmosa Estátua de D. José I. Foto: Rafaela Kich/Arquivo Pessoal

Há, ainda, diversas outras praças incríveis que podem entrar no seu roteiro por Lisboa: a Praça de D. Pedro IV, também conhecida como Rossio, a Praça Luís de Camões, a Praça do Marquês de Pombal e a Praça da Figueira são algumas delas. Se puder, não deixe de visitar.

E aí, gostou de mergulhar nos pontos turísticos de Lisboa? Quais você deseja conhecer? Acrescentaria mais algum à lista? Comente. 🙂

Texto: Rafaela Kich, especial para o Mapa do Mundo


Deixe uma resposta