Como visitar a Vista Chinesa no Rio de Janeiro

A Vista Chinesa não é o mirante mais conhecido do Rio de Janeiro. Mas, dependendo de sua disposição, a subida vale a pena, pois a paisagem é espetacular.

Embora tenha acesso relativamente complicado, a atração oferece belas imagens do Rio. é uma opção interessante especialmente para quem quer desviar dos pontos mais turísticos, como Corcovado e Pão de Açúcar.

Só que não adianta se iludir: apesar de não ser tão disputada como esses ícones do Rio de Janeiro, a Vista Chinesa também atrai muita gente, e um bom clique pode demorar para acontecer.

Ficou curioso? Então vamos entender bem o que é essa vista, por que você deve visitá-la e como fazer isso.

Vista Chinesa no Rio de Janeiro
A Vista Chinesa é uma bela paisagem carioca. Foto: Halley Pacheco de Oliveira, CC BY-SA 3.0

O que é a vista chinesa no Rio de Janeiro?

O mirante da Vista Chinesa é uma estrutura construída em concreto armado por imigrantes chineses que fixaram residência no Rio de Janeiro no início do séc. 19, durante o período Joanino (1808-1821).

E, embora o material utilizado tenha sido concreto, imagens do mirante nos passa a impressão de que tudo foi feito em bamboo e madeira. Esta utilizada apenas em alguns acabamentos.

O estilo arquitetônico empregado na obra pelos trabalhadores orientais tem um nome curioso. Chama-se pagode. Interessante, não é mesmo? Só não nos pergunte qual a relação com o estilo musical, pois não saberemos responder.

O mirante é de 1903 e fica localizado na região da Tijuca (você que não é carioca, favor não confundir com a Barra da Tijuca, trata-se de bairros distintos). Durante muitas décadas, ele caiu no ostracismo, sendo pouco visitado pelos turistas. Por alguns anos, o espaço esteve, inclusive, fechado

Em tempos recentes, a Vista Chinesa voltou a ser aberta para visitação e, como isso, voltou a figurar nos roteiros de viagens de um número significativo dos turistas. Nada que tenha trazido um número impraticável de visitantes.

Muito pelo contrário. O Corcovado, por exemplo, durante os finais de semana, apresenta filas gigantescas. O que não é o caso da Vista Chinesa nem nos dias mais movimentados.

A vista chinesa vale a pena?

Há pouco falávamos do diferencial da Vista Chinesa: ser um mirante menos explorado no Rio de Janeiro. No entanto, as vantagens dessa opção incrível de passeio não se resumem a isso.

Isso porque a vista, em si, é maravilhosa. Parando para analisar fotos panorâmicas desse mirante, você poderá perceber que no lado esquerdo das imagens, é possível enxergar o Cristo redentor e o Corcovado de uma perspectiva totalmente diferenciada.

Olhando um pouco mais para o lado direito, você verá também o Morro dois Irmãos. E, ao voltar seu olhar ainda mais para a direita, será possível observar o Pão de Açúcar.

Em resumo, de um mesmo panorama você verá os acidentes geográficos que fazem do Rio de Janeiro a cidade maravilhosa. Nos arriscamos a dizer que de nenhum outro mirante do Rio é possível vislumbrar tantos pontos marcantes da cidade ao mesmo tempo.

Frente a tantos aspectos interessantes atribuídos a Vista Chinesa, já poderíamos responder à pergunta com um “Sim, vale a visita”. No entanto, temos outra questão a levantar, que é o acesso até o local.

Para quem é adepto de longas trilhas e tem preparo físico para isso, é possível chegar a pé até a Vista Chinesa. Do Jardim Botânico até o final da estrada que dá acesso ao mirante, são 6km.

Mas é preciso MUITA disposição para esse exercício todo. Não recomendamos, a menos que seu objetivo seja mais o exercício físico e menos a vista.

Como chegar até a Vista Chinesa?

Como vínhamos falando, é possível chegar a pé a Vista Chinesa, contudo, essa é uma opção reservada a quem pratica esportes e tem muito tempo e disposição. Assim, para grande maioria das pessoas, o meio de transporte ideal para se chegar ao mirante seria o carro.

Saindo da zona oeste do Rio — Barra da Tijuca, Padre Miguel, Guaratiba, Campo Grande e adjacências — é possível chegar pela estrada das Furnas ou pela rua da Boa Vista.

Quem for partir da zona sul, deve pegar a rua Pacheco Leão no bairro Jardim Botânico e, em seguida, subir a estrada da Vista Chinesa. Um táxi da saindo da lagoa Rodrigo de Freitas (ao lado do Jardim Botânico), custa cerca de R$ 30,00.

O acesso por ônibus, infelizmente, não existe. O ponto mais próximo o qual você conseguiria chegar seria até o Jardim Botânico. E, como já destacamos, a distância para se terminar de chegar é de 6 km de subida.

Por isso, a melhor opção é um serviço de carro particular. Mas atenção: se você estiver lá no topo e chamar um motorista para descer, é provável que tenha a corrida cancelada, pois a subida leva muito tempo. Por isso, nossa recomendação é que você combine com um motorista na subida para que ele espere por lá.

O mirante fica aberto todos os dias, das 8 às 17h. Durante o horário de verão, o horário de encerramento passa a ser 18h.

Não existe nenhum bar, lanchonete, quiosque, quanto menos, restaurante próximo a Vista Chinesa. Portanto, prepare o seu lanche antes de sair de seu hotel ou faça uma refeição reforçada.

Uma outra opção bastante interessante que deixamos para o final tem a ver com uma sugestão de programação que envolve uma passagem por cachoeiras no Parque Nacional da Tijuca.

Dentro do parque, temos as cachoeiras do Horto e do Chuveiro. Da Vista Chinesa até lá são apenas 3km de carro. O local tem infraestrutura de mesas e bebedouro, sendo que a cachoeira tem águas rasas, possibilitando a presença de crianças.

Essa combinação de passeio Vista Chinesa + Cachoeira pode otimizar bastante o seu dia no Rio de Janeiro. Isso porque, normalmente, permanecer mais de 2h no mirante é mais do que suficiente para curtir a vista.

E, como você já terá se deslocado até um lugar remoto da cidade, nada melhor do que emendar um passeio próximo ao mesmo local.

Deixe uma resposta